18 jun 2013

Faroeste Caboclo

Quase 17 anos após a morte de Renato Russo, o melhor retrato do grande interesse por sua obra está nas salas de cinema. Depois de a cinebiografia "Somos Tão Jovens" ser vista por 1,5 milhão de espectadores. Agora é a vez do "Faroeste Caboclo", adaptação de uma das músicas mais conhecidas da Legião Urbana.

Produzidos paralelamente e sem relação entre si, os dois filmes são bastante diferentes, mas retratam o mesmo cenário e época: a Brasília do final dos anos 1970 e início dos 1980. "Somos Tão Jovens" foca na juventude de Renato Russo e em como as experiências na cidade o formaram como artista, enquanto "Faroeste Caboclo" faz apenas breve menção à Legião Urbana, concentrando-se na ficção que o próprio cantor acreditava ser digna do cinema.

Composta em 1979 e lançada em 1987, a música tem nove minutos de duração e 168 versos que contam a trajetória de João de Santo Cristo da infância à morte, numa narrativa com começo, meio e fim. O espírito e as principais passagens de "Faroeste Caboclo" foram preservados no filme, mas o diretor René Sampaio, estreante em longas, omitiu e alterou algumas partes, com a benção da família de Renato Russo.






>